liga acadêmica de diabetes e hipertensão

Just another WordPress.com weblog

Três Perfis de um Estudante de Medicina julho 14, 2010

Filed under: Sem categoria — lahad @ 12:00 am
Tags: ,

Um dos principais pré-requisitos para o desenvolvimento e melhora das ações de uma pessoa ou profissional é o conhecimento de si mesmo, de seus pontos fortes e fracos. Existem diversas ferramentas que auxiliam este conhecimento. Uma delas é a análise de perfil de comportamento. Nós podemos classificar o estudante de medicina em pelo menos 3 perfis, os quais denominamos Perfis de Motivação e Consciência. Estes perfis foram desenhados a partir das observações do comportamento e comentários de estudantes de medicina e profissionais formados. Não foram utilizados critérios científicos, como metodologia específica, coleta padronizada e estatística para sua definição. Entretanto, vieram das percepções extraídas de diversos contatos e observações com este público, sendo seu único objetivo incentivar uma reflexão crítica.

Os três perfis mais claros que encontramos foram denominados de: 1) Desacreditado; 2) Sonhador; e 3) Realista.

O Desacreditado é aquele estudante que vê, desde seus primeiros anos de faculdade, que o mercado não é justo com o médico. Para se defender disto, acredita que é preciso investir fortemente em sua imagem, já que este é o principal elemento de sucesso, ou seja, o que os pacientes efetivamente valorizam. Suas escolhas e ações são basicamente direcionadas para atingir o que parece ser o melhor para si mesmo, particularmente em termos de resultados. Sua motivação principal é ser reconhecido, fazendo com que seu comportamento seja fortemente direcionado para o que imagina que é valorizado, dando menos atenção e foco ao que realmente sente e gosta de fazer. O foco da saúde e bem estar do paciente, muito embora não seja nele consciente, está em segundo plano. Isto é muitas vezes substituído pelo entendimento de que se precisa fazer aquilo que satisfaz, e menos dar o seu melhor. Normalmente esta pessoa passou por situações frustrantes, onde não se sentiu valorizado ao dar o seu melhor, leia-se atuar com o coração.

O Sonhador é aquele estudante que imagina uma situação idealizada, perfeita, e que a realidade deveria ser aquela imaginada por ele. Também acha que o mercado está errado e não valoriza o médico e nem a saúde. Acredita possuir uma solução para tudo, julgando errado tudo e todos que estão contrários às suas idéias. O paciente é valorizado, mas de uma forma idealizada, ou seja, em uma posição distante do sentimento do profissional. O paciente precisa de todos os cuidados, mas deve se comportar de uma determinada maneira, caso contrário está errado. Sonha com um modelo específico, acreditando que só haverá saúde para todos quando este modelo for a realidade.

O Realista, pelo próprio nome, é aquele que aceita a situação existente, buscando mais dados sobre tudo o que acontece. Vê que o mercado está difícil, mas percebe que isto não é só para os médicos e sim para todos os profissionais. Não culpa o paciente, os sistemas pagadores ou quem quer que seja. Analisa a situação a partir de dados concretos e busca uma solução com os recursos existentes. Tem clareza da importância tanto da satisfação do paciente quando da intenção, sinceridade e transparência nos cuidados à saúde. O paciente está em primeiro lugar, mas sabe que é preciso combinar outras variáveis, como uma boa gestão profissional, para atingir o sucesso.

Os dois primeiros perfis têm uma certa resistência em assumir responsabilidades. O primeiro quer entrar no que entende ser um “esquema de sucesso”. O segundo acha que, por acreditar ter boas intenções, ele está certo e todos os outros (como a realidade) estão errados. Ambos não juntam todas as peças da realidade e acabam não assumindo a responsabilidade de fazer acontecer da maneira certa, embora as variáveis externas não sejam como desejam. E fica difícil ocorrer um real aprendizado e mudança sem assumir a responsabilidade.

O terceiro perfil é o que mais assume responsabilidade, pois aceita a realidade sem deixar de entender a sua capacidade, mesmo que limitada, de mudança desta situação.

È importante observar que ninguém é apenas um destes tipos. Estes três perfis coexistem dentro de cada um dos estudantes. A combinação destes perfis, e a predominância de um deles, é que determinará a atitude a ser tomada.

A coragem e a humildade são dois elementos fundamentais para a realização de um sincero autodiagnóstico, o que permite uma postura/atitude de busca de mudança e construção de um atuar melhor. Entendemos que o terceiro perfil deve ser perseguido por todos. E é o que pode trazer um efetivo sucesso ao estudante e futuro profissional, tanto material quanto moral/ético.

Este é o nosso primeiro artigo focando temas de gestão que buscam auxiliar a carreira de um estudante de medicina. Gostaríamos de receber suas críticas e sugestões, bem como temas de interesse a serem abordados.

Eduardo Elias Farah é doutor em administração pela EAESP/FGV e sócio da Chama Azul Business Care, empresa especializada em gestão na área de saúde

Anúncios