liga acadêmica de diabetes e hipertensão

Just another WordPress.com weblog

Vacina para controlar hipertensão poderia ser melhor que medicamentos janeiro 3, 2009

Filed under: Vacina para controlar hipertensão — lahad @ 12:00 am

vacinaA imunização contra a angiotensina II, um hormônio vaso constritor que causa hipertensão, pode ser mais eficiente para combater pressão alta do que medicamentos e ainda aumentar a aderência ao tratamento.

O tratamento para hipertensão com medicamentos é usado com sucesso, mas a aderência à terapia é um problema significativo. Estima-se que nos Estados Unidos apenas um terço dos pacientes com a doença tenham sua pressão sob controle. Os efeitos colaterais e o fato desses tratamentos serem necessários para toda a vida fazem com que muitos pacientes desistam de tomar os remédios regularmente.

Uma vacina que induzisse os anticorpos a atacar a angiotensina poderia simplificar o tratamento, que assim ganharia mais adeptos. Pesquisadores do Cytos Biotechnology, na Suíça, tentam alcançar esse objetivo com a imunização contra a angiotensina II.

O estudo, liderado por Martin Bachmann, já passou pela fase IIa. Os 72 participantes, todos com hipertensão, foram separados aleatoriamente. Um terço deles recebeu 100μg da vacina por via subcutânea, outro terço recebeu 300μg da vacina e o restante, placebo.

No grupo que recebeu 300μg da imunização, houve uma redução da pressão sanguínea na 14ª semana de tratamento de -9.0/-4.0 mm Hg comparada com o grupo que tomou placebo. No mesmo grupo, a redução foi de -25/-13 mm Hg comparada com o grupo de placebo quando a pressão foi medida pela manhã.

A pesquisa ainda precisa cumprir algumas etapas até que se saiba se a vacina pode ser usada em pacientes hipertensos ou se tem alguma contra-indicação. Espera-se que a nova terapia possa ser utilizada em larga escala, já que poderia aumentar a aderência ao tratamento de um número significante de pacientes. Além de ser administrada de maneira mais fácil e rápida do que os medicamentos que tem que ser tomados diariamente, a vacina ainda contaria com o controle do médico: como a imunização seria aplicada algumas vezes por ano, a administração poderia ser feita no consultório, durante as visitas de rotina.

Fonte: Lancet.